Estimando Custos em Projetos



Artigo escrito por:


Clay Susini Aquino Junior - já publicou 8 artigo(s) no blog Gerenciamento de Projetos.


Clay Susini Aquino Junior é Gerente de Programas e Projetos da BM&FBOVESPA, certificado Project Management Professional (PMP), MBA em Gerenciamento de Projetos pela Fundação Getúlio Vargas, Bacharel em Sistemas de Informação com Ênfase em Planejamento Estratégico pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, membro do PMI (Project Management Institute) e do IFPUG (International Function Point Users Group).


Há 3 principais processos de Gerenciamento de Custos no Gerenciamento de Projetos:

  • Estimativa de Custos
  • Determinar o Orçamento
  • Controle de Custos

A Estimativa de Custos é o primeiro desses 3 processos e basicamente desenvolve uma aproximação dos custos de todos os recursos lançados no projeto. Isso inclui, mas não se limita, à mão-de-obra, materiais, equipamentos, serviços e instalações, além de reservas específicas como provisão para inflação e contingências.

O PMBoK defende que a primeira estimativa de custos de um projeto deve ser feita no processo de Planejamento, depois de confeccionadas WBS/EAP e declaração de escopo.

Porém, a grande maioria dos profissionais já realiza uma estimativa grosseira no processo anterior ao Planejamento, ou seja, na Iniciação. É no processo de Iniciação que o estudo do projeto (Anteprojeto) é montado e o Project Charter (Termo de Início) é elaborado contendo as principais estimativas de custo e tempo. O Project Charter contém basicamente o objetivo do projeto, objetivo do produto, dados do gerente do projeto, stakeholders, premissas, restrições, previsão de duração e geralmente a estimativa de custo e o retorno do investimento (ROI – Return On Investment). É com base nessas informações contidas nesse documento que o Sponsor irá decidir se o projeto será iniciado. Caso o início seja autorizado, o trabalho deixa de ser um estudo (anteprojeto) e se torna efetivamente um projeto.

Incluir ou não a estimativa de custo antes do Planejamento, ou seja, no processo de Iniciação através do Project Charter, é uma escolha do Gerente do Projeto. Há vantagens e desvantagens na escolha por esta antecipação. O fato de o Sponsor possuir a estimativa de custo no momento de aprovar o início do projeto é uma vantagem. Porém, estimar um custo antes do Planejamento possui um risco bem maior de não ser realista, resultando em uma desvantagem. Caso seja optado por incluir a estimativa na Iniciação, que esta seja grosseira, porém realista. A grande dificuldade em estimar custos antecipadamente no Project Charter é não conter ainda nesse momento os dois principais insumos necessários para estimativa, construídos no processo de Planejamento:

  • Declaração do Escopo do Projeto
  • Estrutura Analítica do Projeto (WBS ou EAP)

Com base nessas duas principais entradas, o PMBOK sugere 9 ferramentas para realizar a estimativa. Veremos a seguir apenas 4:

  • Opinião Especializada
  • Estimativa Análoga
  • Estimativa Paramétrica
  • Estimativa Bottom-Up

A Opinião Especializada solicita a estimativa de profissionais (recursos humanos) que possuam conhecimento sobre o ambiente e já tenham participado de projetos passados similares. É com base na opinião desses especialistas que a estimativa é feita

Já a Estimativa Análoga utiliza as áreas de conhecimento da restrição tripla de projetos anteriores semelhantes (escopo, tempo e custo). Basicamente resulta no consenso: projeto anterior com Escopo e Tempo similar ao projeto atual tende a possuir um Custo também similar ao projeto atual.

A outra estimativa é a Paramétrica. Esta técnica utiliza relação de estatística de dados históricos calculando uma estimativa para parâmetros de atividades do projeto. Por exemplo, se uma das atividades do projeto é colocar o piso em 50 metros quadrados e é de conhecimento o custo de 1 metro quadrado de piso, estima-se o custo total desta atividade para o projeto. Essa técnica pode produzir alto nível de precisão.

E por último, como melhor alternativa dentre as apresentadas e possuindo maior exatidão, existe a Estimativa Bottom-Up. Esta ferramenta consiste em estimar o custo de cada pacote de trabalho da WBS/EAP de baixo para cima, chegando ao custo estimado total do projeto. Um item deve possuir a somatória de custo de seus sub-itens e assim por diante. Segue um exemplo abaixo:

O próximo processo no Gerenciamento de Custos após a Estimativa de Custos é Determinar o Orçamento. O Orçamento tende a refinar as estimativas e oficializar uma linha de base dos custos. Mas esse é um assunto para um próximo artigo.





Uma resposta para “Estimando Custos em Projetos”

  1. antoniobarone 17/02/2010 às 18:14

    Excelente artigo. Clay Susini Aquino Junior mostra mais uma vez que conhece gerenciamento de projetos na teoria (PMBOK) e na prática. O autor expõe de maneira clara o que é e como estimar custos em projetos, além de descrever práticas utilizadas no mercado que não estão escritas em livros.

Deixe uma Resposta

Você deve estar logado para fazer um comentário.

Faça seu cadastro na Rede O Gerente. O processo é rápido e gratuito .

Google Analytics Alternative