Eliminar a Tensão para Aumentar o Tesão

Embora o título acima possa lhe fazer pensar em fórmulas ou exercícios para aumentar sua libido, quero deixar bem claro que este texto está longe de ter uma conotação sexual. Meu desejo é tecer alguns comentários sobre ser feliz no trabalho, fator essencial para aumentar nossa qualidade de vida.            

A origem da palavra TRABALHO vem do latim TRIPALIUM, denominação de um instrumento formado por três (tri) paus (palium) que eram fincados no chão à guisa de uma pirâmide e usado como um instrumento de tortura na Roma antiga.            

Naquela época, as pessoas que não podiam pagar impostos, geralmente pobres ou escravos, eram submetidas ao tripalium. Daí o verbo tripaliare, com o significado de torturar. Deste modo, quem “trabalhava” eram os menos favorecidos.            

Por um longo período de tempo, TRABALHO teve o sentido de experiência dolorosa, padecimento, castigo. Foi somente a partir do século XIV que esta palavra começou a significar o emprego dos talentos e habilidades pessoais para alcançar um determinado fim.            

Nos dias de hoje, o TRABALHO é considerado uma oportunidade: não mais um fim, mas um meio de transformação das pessoas.            

David Whyte, autor de Cruzando o desconhecido. O verdadeiro sentido do trabalho e da vida, afirma que: “pelo trabalho as pessoas se sustentam e à sua família, tornam habitável o exigente mundo e, com imaginação, criam um significado para o que e como fazem. A relação do ser humano com o trabalho pode ser inocente, fatalista, gananciosa, sem entusiasmo, cínica, desinteressada, obsessiva e, mesmo, de luta pelo poder. Também pode ser abnegadamente madura, reveladora e fonte de vida: madura em um sentido abrangente, e fonte de vida na forma de retribuir ao individuo ou à sociedade o quanto recebeu”.            

Quer queiramos, quer não, é praticamente impossível dizer não ao trabalho, seja de que natureza for: em corporações, autônomo, comissionado, terceirizado, etc. 

Entre dois extremos            

Peço sua atenção, caro leitor ou leitora, para as duas palavras deste texto: tensão e tesão. 

Repare que apenas uma letra, a letra N, pode nos fazer ir de um extremo a outro na nossa relação com o trabalho. 

Tensão é sinônimo de algo estressante (estresse ruim), angústia, dor, sofrimento, ir além dos limites emocionais. Por outro lado, tesão significa excitação, estímulo, incitamento. Curiosamente, estas duas palavras tem a mesma origem latina. 

Quando consideramos o aspecto “tensão”, encontramos profissionais que não tem suas competências reconhecidas, desmotivação, falta de engajamento, etc. Tensão pode levar à demissão. 

Quando consideramos o aspecto “tesão”, encontramos o oposto: profissionais cujas competências são postas à prova, profissionais que vêem sentido e significado naquilo que fazem, buscam sempre a excelência ou, no mínimo, o melhor possível e que são sempre reconhecidos e recompensados. Tesão leva à promoção. 

Pelo trabalho as pessoas podem alcançar o sucesso ou o fracasso, a ganhar ou perder, a subir ao topo ou descer ao fundo do poço. 

Bem, já que não podemos dissociar o trabalho das nossas vidas, que tal eliminarmos a tensão para aumentar o tesão? 

Vocação 

Em um texto anterior – A pessoa talentosa tem que ter C.H.A.P.A. – mencionei o que são dom, talento e vocação, o conjunto que faz com que as pessoas se diferenciem umas das outras, no que diz respeito à sua atividade profissional. 

Destes três, a vocação é a mais instigante. Tem sua origem no latim vocare, que significa chamamento, o ato de chamar, predestinação. Tem também o significado de tendência, pendor ou disposição. 

Ara quem não sabe, a vocação é aquela voz interior – a voz da alma – que fica ressoando nos nossos ouvidos de forma incessante e insistente, nos orientando sobre o que fazer; a que nos ajuda a tomar a decisão mais acertada (intuição ?!), a que faz com que sintamos prazer em realizar determinada tarefa e, enquanto a fazemos, ela se torna fácil e prazerosa, por mais árdua e cansativa que seja. 

É pela vocação que nos sentimos impelidos a realizar algo necessário e voltado para o próximo: é um imã que nos atrai para a realização de um trabalho, um serviço ou uma tarefa. 

Existem pessoas que não se dão conta da sua vocação. Quantas pessoas você conhece que se formaram em uma faculdade e acabaram desistindo de sua profissão para percorrer outro caminho profissional? 

E quantos outras existem que, durante o curso universitário, percebem que aquilo não era o que queriam e também vão buscar um outro caminho? 

E aquelas outras que, sem saber o que querem, vão tentar descobrir sua vocação através de um teste vocacional? 

Profissão e vocação constituem uma relação indivisível para aqueles profissionais que alcançam o sucesso, seja ele um atleta, um executivo, um camelô ou um peão de obra. 

… mas com a razão certa            

Certamente é de seu conhecimento a frase: ele/ela é a pessoa certa, no lugar certo e na hora certa.            

No meu entender esta frase significa que a pessoa sabe qual é o seu dom e que o aprimorou pelo desenvolvimento dos seus talentos.            

Entretanto, o consultor Robert Wong acrescenta algo a mais nesta frase: ele/ela é a pessoa certa, no lugar certo, na hora certa, mas com a razão certa. É este quarto elemento, a razão certa, que vai fazer toda a diferença para o profissional, porque agrega valor e o faz crescer com a empresa.            

Esta “razão certa” dá outro significado à frase acima, pois a pessoa sabe qual é o seu dom, aprimora-o pelo desenvolvimento dos seus talentos e segue a sua vocação.            

Agora sim, temos o profissional completo, o profissional que é o produto d seu dom (D), dos seus talentos (T) e da sua vocação (V): D x T x V. e é este profissional que consegue conciliar o trabalho com os outros aspectos da sua vida e, através dele, ser feliz e realizado.            

Para estas pessoas, a felicidade decorrente do trabalho é muito mais gratificante do que acertar as seis dezenas de uma mega sena acumulada. Além disso, o prazer decorrente do trabalho aumenta as defesas do organismo, aumenta a auto-estima e a autoconfiança, proporcionando mais disposição e ânimo. Este profissional trabalha duro, tem um objetivo para o além de ganhar dinheiro ou simplesmente preencher o seu tempo. Ele sabe que seu trabalho vai lhe trazer recompensas em termos de autonomia, de independência e de auto-satisfação.            

Já o oposto, trabalhar em algo que não dá prazer, gera desmotivação, desengajamento, sendo que o estresse que se instala acaba sendo a causa de doenças físicas (obesidade, colesterol alto, aumento de triglicérides, hipertensão, diabete, etc.) ou psicológicas (ansiedade, angústia, depressão, etc.). E quem trabalha sem prazer raramente se distingue.            

Para que se tenha uma idéia, uma pesquisa realizada pela International Stress Management Association do Brasil mostrou que, um em cada dez brasileiros, está constantemente deprimido por não gostar do trabalho que realiza. 

Trabalho e prazer             

Nos dias de hoje, o trabalho é muito mais intelectual do que braçal. E também o número de horas dedicadas ao trabalho é muito maior do que aquele gasto com outras atividades, como lazer, praticar uma atividade física, etc.            

Vive-se plugado no trabalho. E se esta relação, pessoa X atividade, não for prazerosa e satisfatória, certamente esta pessoa não será feliz. Pessoas infelizes são pessimistas, irritadiças, vivem de mal com o mundo e acabam culpando o ambiente e a empresa como a causa dos seus males.            

A primeira e a mais importante e fundamental das regras na sua relação com o trabalho é: você precisa fazer o que gosta. Esta é uma das chaves para se alcançar o sucesso.            

Quem faz o que gosta está sempre descansado. Aliás, é de Pablo Picasso a frase: “quando trabalho, descanso; fazer nada ou entreter visitantes, deixa-me cansado”.            

Quem faz o que gosta e trabalha com prazer encara o trabalho como algo desafiador e excitante, como uma maneira de crescer, aprender coisas novas e explorar novos caminhos. Por isso, faz cada vez melhor, obtem melhores resultados e é cada vez mais reconhecido.            

No meu texto Qualidade de vida no trabalho (www.ogerente.com.br) mencionei algumas dicas para a melhoria da atitude das pessoas em relação ao trabalho.            

O trabalho, por menos importante que seja, tem que nos ensinar que ele é sempre importante. Para isso temos que praticar cada ação como se fosse a coisa mais importante do  mundo e, para isso, devemos nela depositar todo o nosso ser e toda a nossa vida naquilo que estamos praticando naquele exato momento.            

Siga sua vocação. Quem segue sua vocação faz do seu trabalho sua distração, como afirma Mark Twain.            

E se você me perguntar como ser feliz no trabalho, eu lhe responderei: tire o N.            

Aprenda a ir ta tensão para o tesão. Para ser (mais) feliz! 

Tags: , , ,

2 Comentários

Deixe um Comentário
  1. Neuza 08/10/2010 às 15:44 #

    Parabéns Fava

    Muito bom seu texto “Eliminar a Tensão para Aumentar o Tesão como cultura e com reflexão,convivo com inúmeras pessoas que trabalham por vários motivos menos por tesão.

    Abraços
    Neuza

  2. DIANA SCHIMIDT SCOTT 09/10/2010 às 16:58 #

    CONCORDO PLENAMENTE COM O COMENTARIO SEM GOSTAR NÃO FAÇO.

Deixe um Comentário

Google Analytics Alternative