O conhecimento de que precisamos



Artigo escrito por:


Denis Mello - já publicou 4 artigo(s) no blog Carreira Profissional.


Diretor-presidente do FBDE | NEXION Consulting- Consultores e Auditores em Marketing, Vendas e Gestão Empresarial. Siga: www.twitter.com/fbdenexion.

De volta ao Brasil, depois de quatro anos morando em Seul, um casal de amigos me propiciou um dos momentos mais interessantes de lazer e conhecimento. O encontro, além da satisfação em revê-los, provocou questionamentos sobre a valorização, ou desvalorização, reservada à prática do saber.

Meus amigos me relataram como os sul-coreanos se relacionam com a aquisição do conhecimento e os resultados dessa busca para o desenvolvimento acelerado de um país considerado primitivo há apenas 30 anos e como a devoção de um povo por seus valores e história é capaz de transformar esse mesmo país, arrasado por guerras e décadas de estagnação, na 4ª maior economia da Ásia e na 13ª do mundo, em curto espaço de tempo.

Para nós, brasileiros, é difícil imaginar jovens, em momentos de lazer, fazendo de restaurantes, bares e cafés pontos de encontro para refletir, discutir, trocar experiências e ideias sobre temas estudados nas universidades, mas é assim em Seul.

O conhecimento para a juventude sul-coreana não tem pausa, hora nem lugar. É uma necessidade quase fisiológica, como respirar. O aprender é visto como conquista, vitória. É o exercício do conceito de Francis Bacon, para quem “o conhecimento é em si mesmo um poder”.

Em nossa sociedade, o aprendizado geralmente está relacionado ao esforço, ao sacrifício: “Me matei para aprender.” As justificativas terceirizam a responsabilidade: “Falta dinheiro e política pública para a Educação.” O conhecimento é tratado de forma utilitária, limita-se à preparação para o trabalho, para a geração de renda: “Novos cursos de especialização abrem portas para promoções.”

Principalmente em nossa era da informação, é preciso evitar o superficialismo que nos oferece “uma vaga noção de tudo e um conhecimento de nada”, como dizia Charles Dickens.

Acredito que devemos aprender com os grandes pensadores que definem o conhecimento não como a retenção de informações e sim como sua utilização para desvendar o novo, o que nos faz avançar, porque, quanto mais competente for o entendimento do mundo, mais satisfatória será a ação dos indivíduos que o detêm.

Precisamos transformar nosso tempo e espaço em “Tesouros dos remédios da alma”, como eram chamadas as bibliotecas no Egito. Por meio da mobilização e do inconformismo, criar núcleos de incentivo de busca pelo saber. Praticar o conhecimento como prazer e consciência de sua capacidade de levar a sociedade ao culto de valores éticos, à responsabilidade, à valorização do próximo, enfim, ao refinamento da personalidade.

Pense nisto e até a carta de outubro!





Uma resposta para “O conhecimento de que precisamos”

  1. o conhecimento é uma “arma” muito importante,
    para o desenvolvimento dos seres mais desprezíveis do mundo, não há limite para o ser que está firmemente decidido a se expandir.os países asiáticos foram um exemplo bem claro. deixaram suas limitações de lado e buscaram se reconstruir é hoje são referência em tecnologia para o mundo. quem fez isso? o conhecimento, mais não basta ter só conhecimento é preciso ter habilidade e atitude para vencer os mensageiros do desânimo.

Deixe uma Resposta

Você deve estar logado para fazer um comentário.

Faça seu cadastro na Rede O Gerente. O processo é rápido e gratuito .

Google Analytics Alternative